Es.pa.ço s. m. 1. Fís. Extensão tridimensional ilimitada ou infinitamente grande, que
contém todos os seres e coisas e é campo de todos os eventos.
I.ma.gi.ná.rio adj. 1. Que só existe na imaginação. 2. Que não é real. 3. Ilusório. S. m. Escultor de imagens.



quinta-feira, 18 de março de 2010

PAIEEEEEE!!!!!!! EU QUERO UM PLAYSTATION 3!

Essa semana vai se lançado no Brasil o terceiro episódio da saga do soladado+assassino+carniceiro+deus+badass Kratos, herói (ou não) de God of War. Pra quem não conhece a história, Kratos era um general espartano que, depois de ver seu exército ser quase exterminado em uma batalha contra bárbaros, faz um pacto com Ares, o deus da guerra, dando sua alma em troca da vitória. Depois disso o exército de Kratos vence batalha após batalha até que, um belo dia, sua mulher e filha são mortas em um massacre no templo de Atena, comandado pelo próprio general. A partir de então, para se redimir de seus crimes, Kratos passa a servir aos deuses do Olimpo, notadamente Atena. A briga feia começa quando Kratos recebe a missão de matar Ares. Depois de eliminar cruelmente todos os bichos feios enviados por Ares, Kratos derrota o próprio. Ao fim desse arco da história ele se torna o novo Deus da Guerra (God of War... sacaram?), pois, com a morte de Ares o cargo ficara vago. Aí termina o primeiro jogo. No segundo episódio, Kratos é traído por Zeus e, eventualmente, assassinado e mandado para o Inferno para acertar contas com seus antigos amiguinhos... ele escapa e acaba recebendo a ajuda de Gaia e dos titãs para destruir Zeus. O segundo jogo acaba com Kratos no comando de um exército de titãs escalando o Monte Olimpo atrás de Zeus... E agora chega ao Brasil God of War 3: Chains of Olympus. O terceiro jogo é exclusivo para playstation 3 e, pelos promos que foram divulgados, possui uma qualidade gráfica MUUUUUITOOOOOOO FODAAAAAA! Sério mesmo! E aí você me pergunta: "Ayesha, o que isso tem a ver com a arquitetura?". E eu respondo: "E precisa ter? É God of War 3!!!!!"... Mas, falando sério, alguma coisa nesse post interessa a esse blog.
No post anterior eu falei sobre a arquitetura digital que evoluiu muito nos últimos 10 ou 15 anos, na mesma proporção em que evoluíram os consoles. E God of War também mostra essa evolução. No primeiro jogo os cenários são um tanto tímidos: representam fielmente a arquietura grega (não o urbanismo, mas enfim, nem tudo é perfeito...), mas há pouco espaço para a exploração espacial, quero dizer, para a viajandice na maionese. A única exceção é o Templo de Pandora, que fica preso nas costas do titã Cronos, enquanto este vaga pelo deserto. Esse, sim, é um cenário incrível... No segundo jogo os criadores abusaram da imaginação e mandaram ver legal na interatividade do cenário, superando ainda mais esse aspecto que estava presente menos explicitamente no jogo anterior. Fora os gráficos absurdamente realistas... E isso gera uma expectativa enorme em relação ao próximo jogo. Infelizmente eu não poderei comentar tão cedo: como eu disse antes, esse lançamento é exclusivo para playstation 3 e eu, pobre mortal, parei no play 2... Snif, snif...

Nenhum comentário: