Es.pa.ço s. m. 1. Fís. Extensão tridimensional ilimitada ou infinitamente grande, que
contém todos os seres e coisas e é campo de todos os eventos.
I.ma.gi.ná.rio adj. 1. Que só existe na imaginação. 2. Que não é real. 3. Ilusório. S. m. Escultor de imagens.



quarta-feira, 26 de novembro de 2008

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Série "Não basta ser bom arquiteto, tem que ter um bom fotógrafo"

Estamos começando hoje uma série aqui no blog, carinhosamente apelidada "Não basta ser bom arquiteto, tem que ter um bom fotógrafo", mostrando que às vezes uma boa fotografia vale mais que mil palavras... e plantas, cortes, fachadas...

Inaugurando a série, Herzog & de Meuron, com o projeto da Vinicola Dominus... A proposta era realizar uma arquitetura que se fundisse à paisagem. A proposta deu tão certo que o edifício quase sumiu! Um ponto pra quem achar a construção na foto de cima...

Mais fácil agora?

domingo, 2 de novembro de 2008

Arte conceitual... Ausência

O trabalho de arte conceitual da Priscilla foi muito legal!!! No fim superou as nossas expectativas!!! Aí vai o vídeo feito para o trabalho, acompanhado dos textos que foram declamados pela equipe, isto é, eu, Dani, Vânia e Karla. O título da obra é "Ausências".
Obs.: Uma breve explicação sobre o trabalho: o tema surgiu durante a aula mesmo. Quando a Priscilla explicou o trabalho eu virei para a Fran com uma folha em branco e disse:
- O nome da minha obra será "A vaca pastando" (baseada em um episódio do Chaves em que ele mostra a tal folha em branco e diz que desenhou a vaca pastando. Quando o professor Girafales pergunta onde estavam a vaca e o pasto o Chaves sabiamente repsonde "A vaca pastou e foi embora")
A Fran deu pála... Depois da aula, todo mundo me pergunatando o que eu ia fazer, eu pensei melhor na idéia da vaca pastando e daí surgiu a idéia de representar a ausência. Montamos um grupo e começamos a discutir o tema, e daí surgiram reflexões como "a ausência é um conceito humano: ela só existe porque nós nos acostumamos a certas coisas e daí, quando elas nos sao tiradas, nós sentimos aquilo como ausência" ou "Em alguns casos a ausência se torna presença: no caso das torres gêmeas, por exemplo, pra muitas pessoas elas começaram a existir, ao menos simbolicamente, a partir do momento em que elas foram derrubadas"...
E daí decidimos representar tudo isso em forma de imagens e texto... Cada um interprete a ausência que lhe convier!!!!

"Desde então me chamo ausência,

Porque me apartei de ti.

a lembrança de um ausente,

Tem mais força que a presença!

Me tornei canto de ausência"

Ausência, tempo e Querência. Fragmentos



"Por muito tempo achei que a ausência é falta."

Carlos Drummond de Andrade



"Eu fico à vontade com a sua ausência"

Tudo o que vai, Capital Inicial


"Eu te sinto ausente e tua ausência é mensurável
de modo tal que a possa absorver plena e perene
caso a efemeridade dela não se justificar mais
e deixar de ser ausência
e tornar-se a definitiva presença de saudades...
Pois que te sinto assim ausente de mim
e enceto contigo um diálogo de corredor de hospício
e sigo conversando com tua ausência.
Ela me responde em silêncio,
anuindo às vezes
Com uma ausência ainda maior.

(...)
Deste modo, agora eu converso com tua ausência
porque não há mais tempo para coisa alguma.
Só tempo para a ausência
em que te fazes tão presente em mim!"

Monólogo da Ausência, Reinaldo Luciano. Fragmentos


"Não quero que tua risada ou teus passos hesitem.

Não quero que minha herança de alegria morra.

Não me chames. Estou ausente.

Vive em minha ausência como em uma casa.

A ausência é uma casa tão rápida

que dentro passarás pelas paredes

e pendurarás quadros no ar.

A ausência é uma casa tão transparente

que eu, morto, te verei, vivendo,

e se sofreres, meu amor, eu morrerei novamente."

Pablo Neruda. fragmento


"Sou o corpo insepulto e vazio de alma.
Sou a ausência da chama.
Sou a morte calma, na cama...
Sou a raiz arrancada
da semente que irrompia...
Sou o ócio da mente
e a ironia do nada...
Sou a dor meticulosa
e o espinho da rosa...
Sou a sombra que passa
burlando o olhar arguto
de mil sentinelas que me espreitam.

Já rastejei... Mas me ergo resoluto
e escalo a torre infinita...
Sou um nada que grita lá do alto:
A vida é um assalto!
Mãos ao alto! Passe a vida!
E depois caio do nada absoluto
no vazio absoluto do asfalto!"


Vazio Absoluto
, Reinaldo Luciano.